PESSOAL

Sobre Novembro ’20

Novembro, Novembro… Pensava que tínhamos combinado que demorarias a passar. Decidiste seguir os passos rápidos de outubro, que também se evaporou num piscar de olhos, num dos outonos mais breves de que me recordo. Não sei que contas fazem entre os doze, mas os três últimos meses do ano parecem-me sempre mais acelerados do que os três primeiros – o que não me deixa muito contente, uma vez que são dos meus preferidos. Vamos lá rever essas contas, sim?

De qualquer maneira, apesar do passo acelerado com que passaste, revelaste-te um dos melhores meses deste ano – o mês em que mais cumpri os passos que me transformam na minha melhor versão, em que mais regressei a outros tantos esquecidos no tempo, que me fazem muito bem, em que mais me dediquei ao que me inspira, em que mais me refugiei nas minhas pessoas. Estou contente pela paz que me trouxeste, novembro. Neste ano estranho, em que nos questionamos e nos reinventamos, não consigo não me surpreender com a generosidade destes últimos trinta dias. Os tempos disseram-me para não fazer grandes planos para ti, o que me levou a descobrir que consigo ser muito feliz mesmo com os mais pequenos. Os teus dias de chuva inspiraram-me muitas vezes; e os soalheiros também. Os teus alimentos deram origem a receitas deliciosas. Os teus amanheceres desafiaram-me a longas corridas pela brisa da manhã. Os teus entardeceres convidaram-me a boas sessões de leitura. Os teus últimos dias recordaram-me do quanto gosto das cores da lareira acesa, da magia das músicas natalícias, do brilho das luzes pelas ruas.

Não me lembro de um novembro tão tranquilo desde há uns bons anos. Sei que, nesta fase, todos os olhos estão postos em dezembro; mas, quanto a mim, mesmo debaixo dessa ingrata comparação, superaste as expectativas. Pergunto-me se será esse o segredo – gerir expectativas de forma mais realista, para que cada boa surpresa pareça ainda mais significante; esperar menos para receber mais. Não consigo pensar numa melhor maneira de entrar na fase mais mágica do ano. Novembro, eu disse que estava contente por teres chegado – se os próximos meses seguirem os teus passos, assim continuarei.

Inês Nobre
Um blog sobre o que mais me apaixona, como melhor me sei expressar - pela moda e pela escrita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *